Diário da Região

23/03/2017 - 08h03min

São Paulo

Para analistas, alta de impostos é questão de tempo

São Paulo

O economista-chefe do Banco Safra e ex-secretário do Tesouro Nacional, Carlos Kawall, disse nesta quarta-feira, 22, que os números apresentados ontem pelo governo em relação ao Orçamento são confiáveis, mas que o grande desafio é buscar efetivamente as receitas extraordinárias para cumprir a meta fiscal de déficit primário de R$ 139 bilhões. A equipe econômica identificou um rombo de R$ 58,168 bilhões no orçamento, com o aumento das estimativas de despesas e a queda das receitas previstas. Mas os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, disseram que esse não será o contingenciamento total, visto que ainda há a expectativa de entrada de até R$ 18 bilhões em receitas extraordinárias que dependem de decisão judicial. Apesar do ruído gerado com o adiamento do anúncio do contingenciamento, Kawall avaliou que o fundamental é que o grau de transparência do governo é grande. Segundo ele, a cautela é necessária para evitar que se divulguem expectativas que não irão se confirmar, como acontecia na gestão anterior. "Ficamos mais seguros da exequibilidade dos números." Sobre o aumento de impostos, o economista avaliou que essa será uma decisão de governo. "Se o governo achar que o contingenciamento é muito alto e que precisa de contribuição da receita, pode aumentar tributos", afirmou. "Temos de esperar até a próxima semana." O economista-chefe da corretora Nova Futura, Pedro Paulo Silveira, avalia que as declarações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, sobre a possibilidade de o governo recorrer a aumento de impostos para cobrir o buraco das contas públicas, não deixam dúvidas de que a carga tributária vai subir. A dúvida agora reside em qual imposto será mexido, disse, Para ele, aumentos na Cide - o imposto dos combustíveis - e a recriação da CPMF são opções com boa chance de serem anunciadas. "Agora é questão de tempo para o governo anunciar qual tributo vai subir." Para Marco Antonio Caruso, economista do Banco Pine, o rombo anunciado de R$ 58,168 bilhões mostra que a situação fiscal não é fácil. "Cortar quase R$ 60 bilhões de um orçamento já bastante apertado é difícil", comenta. Segundo ele, o governo terá de elevar impostos. "Não tem para onde correr." Mas, para o analista, as opções do governo para a elevação de impostos são limitadas, tendo em vista que algumas medidas exigiriam um prazo longo para poder entrar em vigor. Segundo ele, a elevação da Cide e do PIS/Cofins, que pode ser feita no curto prazo, tem efeito baixo na arrecadação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.