Diário da Região

23/01/2017 - 13h28min

Nova York

FMI: desemprego e endividamento devem continuar interferindo na demanda do País

Nova York

A demanda no Brasil deve seguir pressionada em 2017 pelo alto nível de desemprego e de endividamento das famílias, avalia nesta segunda-feira, 23, o diretor para o departamento de Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Werner, em uma análise sobre a América Latina. "O Produto Interno Bruto continuou a se contrair no terceiro trimestre de 2016 e os indicadores da atividade econômica no fim do ano apontavam para uma demora na recuperação porque os gastos privados continuam fracos", afirma Werner. A previsão do FMI para o Brasil foi rebaixada na semana passada e a estimativa é que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve crescer apenas 0,2% este ano, um dos piores desempenhos entre os emergentes. O economista do FMI ressalta que para estimular a economia, o governo brasileiro anunciou recentemente medidas para ajudar as empresas altamente endividadas, além de reformas para reduzir a burocracia e os custos da atividade empresarial. Werner destaca ainda a aprovação da medida que estabelecem um teto para os gastos públicos e a proposta de reforma da previdência enviada ao Congresso. Ao mesmo tempo, enquanto o Planalto tenta arrumar as contas federais, Werner menciona que a situação fiscal de vários Estados é cada vez mais difícil. "Existe a expectativa de que uma nova legislação lance as bases para um ajuste na esfera estadual e para programas de reformas monitorados pelo governo federal", ressalta em sua análise. No lado da política monetária, Werner menciona que a inflação vem caindo rapidamente nos últimos meses e, no fim de 2016, estava abaixo do limite superior da margem de tolerância da meta do Banco Central. Com isso, foi possível acelerar "consideravelmente" o ritmo de corte da Selic na reunião deste mês do Comitê de Política Monetária (Copom). Falando de forma geral sobre a América Latina, Werner alerta sobre a necessidade de os países da região continuarem a usar o espaço de que dispõem para calibrar o ajuste fiscal, uma vez que a expectativa é que os preços das matérias-primas continuem baixos em relação a seus níveis históricos, apesar da alta recente. Outra recomendação é que os governo adotem políticas que facilitem o saneamento dos balanços das empresas, muitas delas com volume importante de passivos em moedas estrangeiras. As taxas de câmbio devem permanecer flexíveis, diz ele, destacando que as condições externas estão cada vez mais voláteis. O FMI volta a recomendar que a região aprofunde as reformas estruturais, como investimentos em infraestrutura, redução da burocracia, reforço da educação, para tentar expandir o crescimento de médio prazo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Apóss o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Ap�s o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.