Diário da Região

07/03/2017 - 07h30min

LANÇAMENTO

Vespas Mandarinas flertam com violões e expõem lado pop

LANÇAMENTO

Divulgação Chuck Hipolitho e Thadeu Meneghini comandam a banda Vespas Mandarinas
Chuck Hipolitho e Thadeu Meneghini comandam a banda Vespas Mandarinas

Chuck Hipolitho e Thadeu Meneghini possuem uma química quase que perfeita. Ao trocarem olhares relapsos e risadas descontraídas em um sofá desbotado do estúdio Wah Wah, na zona oeste de São Paulo, a dupla dos Vespas Mandarinas consegue, sem pestanejar, externar para o local o sentimento de leveza e experimentação das 14 faixas de Daqui Pro Futuro, segundo disco de estúdio da banda, que será lançado nesta sexta-feira, 10, nas plataformas digitais.

"Nós passamos por grandes transformações. A gente se alimenta disso para fazer música, na verdade. Expectativas são feitas para serem quebradas, tanto pelo lado positivo quando pelo negativo", afirma Tadeu em entrevista.

O antes quarteto, e agora duo, mudou drasticamente desde o elogiado Animal Nacional (2013), trabalho de estreia da banda. Ainda com Flavinho (bateria) e Pindé (baixo) no grupo, alcançaram o status de grande revelação do rock nacional dos últimos tempos. Guitarras frenéticas, letras bem elaboradas e riffs em ebulição renderam aos Vespas uma indicação para o Grammy Latino na categoria de melhor disco de rock brasileiro.

Tantas críticas positivas colocaram pressão no grupo. Como manter o foco e a qualidade do primeiro trabalho? Estariam eles fadados à maldição satânica do segundo disco? Não, isso, aparentemente, não aconteceu. A saída de Flavinho e Pindé teve o efeito contrário. Qualquer banda sofreria absurdamente com a ausência de dois integrantes. Os Vespas, entretanto, evoluíram. Resgataram algo perdido em seu DNA.

"Começamos naquele lema de um por todos e todos por um. Não deu certo. A vibe era bem diferente. Agora, apenas comigo e o Tadeu, estamos no mesmo estágio de quando a coisa começou, só que com uma liberdade muito maior. Agora, isso tudo é permanente. Somos uma dupla. É como diz o nome do nosso disco. É da canção para o futuro. Daqui para frente", conta Chuck.

Mais à vontade para criar e produzir, Chuck e Tadeu entraram de cabeça no projeto. Pegaram coisas que haviam rascunhado e decidiram transformá-las em canções potentes e avessas ao rótulo de "é só mais um rockezinho moderno aí".

Para isso, beberam da própria fonte, nas principais referências musicais do grupo: o rock brazuca. De Leoni, passando por Edgard Scandurra, que toca guitarra nas faixas E Não Sobrou Ninguém e Só Se Vive Uma Vez, a Pupilo, Marcelo Yuka e a participação especial de Samuel Rosa, do Skank, no single Daqui Pro Futuro.

"Amamos o rock nacional. A gente foi arrebatado de uma maneira irreversível. Isso não é amor, é uma identificação nata. O rock nacional é a coisa mais importante para a gente. Pode tirar tudo, menos isso. Nós estamos aqui por causa deles: Paralamas, Ira! e Legião Urbana: o rock é o cancioneiro do País. Você pode colocar ritmo de axé, samba e qualquer outra coisa nele. O rock dos anos 1980 era tão brasileiro que até uma criança podia interpretar a letra, sabe? Naquela época, a música tinha um contexto de valorização muito maior", contextualiza Tadeu.

Gravado e produzido na tradicional ponte aérea Rio-São Paulo, e com a produção de Rafael Ramos e Michel Kuaker, os Vespas experimentaram coisas até então inéditas para eles. Flertaram com teclados e violões. Além disso, abusaram do pop e aprenderam a falar de sentimentos com mais delicadeza. Isso, claro, refletiu em canções serenas como Fica Comigo e Expresso Nova.

"A música é sempre algo poderoso. As canções não precisam se limitar a um conceito de banda. É preciso ter liberdade para consumir e fazer música. A velha liberdade de pensamento", conclui Tadeu.

O clipe de Daqui Pro Futuro, lançado no início de fevereiro no canal KondZilla, no YouTube, recebeu muitas críticas de alguns fãs, que se surpreenderam com a sonoridade mais leve e voltada para o pop de Chuck Hipolitho e Thadeu Meneghini.

"O clipe de Daqui Pro Futuro tem um fundo amarelo, que é a nossa cara. Muita gente reclamou porque colocamos o tchu tchu tchu ru tchu no rock 'n' roll. Até o Robert Smith, do The Cure, já fez isso, por exemplo. É preciso abrir a cabeça. As pessoas, no geral, são fechadas para outros estilos de música. O KondZilla é um canal de funk e hip-hop. Talvez por isso tenha assustado tanta gente. Por que decidimos publicar o clipe ali? Queríamos alguma novidade, quebrar paradigmas e mostrar o quão aberto poderíamos ser para outros estilos", conclui Chuck.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.