Diário da Região

17/04/2017 - 07h35min

ENTREVISTA

Portuguesa Isabél Zuaa está no filme Joaquim

ENTREVISTA

Divulgação A atriz Isabél Zuaa durante a participação de Joaquim no Festival de Berlim
A atriz Isabél Zuaa durante a participação de Joaquim no Festival de Berlim

Filha de mãe angolana e pai da Guiné-Bissau. Isabél Zuaa nasceu em Lisboa e lá começou a carreira de atriz e bailarina. Veio para o Brasil, integrou-se ao grupo de Gustavo Ciriaco e agora estoura no cinema como coprotagonista de Joaquim.

Se o filme de Marcelo Gomes é sobre a mudança de paradigma do futuro Tiradentes - como um soldado da Coroa portuguesa virou rebelde -, a Preta de Isabél Zuaa tem importante participação no processo.

Como você chegou ao filme de Marcelo Gomes? Por meio dos produtores europeus?

Isabél Zuaa - Na verdade, estava no Brasil já há bastante tempo. Vim como integrante de um intercâmbio cultural e acabei ficando. Soube que precisavam de uma atriz negra que falasse africano. Como falo cabo-verdiano, habilitei-me e deu certo.

Sua personagem, a escrava Preta, desencadeia o processo de conscientização de Joaquim, antes de virar Tiradentes. Como se preparou para o papel?

Isabél Zuaa - Integro um movimento chamado Mulheres Negras, que visa justamente despertar nossa autoestima. Preta evolui no quilombo. No início, é um corpo de que os homens podem dispor, mas se afirma nesse universo. Sua recusa (vejam o filme) será decisiva no amadurecimento do alferes Joaquim.

O fato de dançar ajudou você na criação da personagem?

Isabél Zuaa -  Sem dúvida, porque Preta é muito física, desde o arraial até o quilombo.

Tiradentes é um personagem muito forte no imaginário dos brasileiros, mas Joaquim é desconhecido. A história de amor embutida no filme será uma surpresa para o público. Como a vê?

Isabél Zuaa - Marcelo (o diretor Gomes) deixou claro que o filme é a visão dele sobre a mudança de paradigma de Joaquim. Acho lindo que ele esteja resgatando a importância da cultura africana, e da mulher, no processo de libertação do Brasil. E acho linda a história de amor impossível. Me encanta que Joaquim seja tão apaixonado e Preta, tão forte.

Já que é um tema do filme, como mulher, atriz e negra, você conheceu o preconceito?

Isabél Zuaa - Muito, e no Brasil principalmente. As pessoas parecem ter dificuldade para aceitar a ideia de uma negra portuguesa. No imaginário delas, a coisa não funciona, embora Portugal tenha colonizado a África. Em Lisboa, havia esse mesmo estranhamento. Não acreditavam que eu fosse de lá.

Mas sempre existem os negros dos filmes de Pedro Costa, não?

Isabél Zuaa - Sim, mas ele é um autor para poucos, não um diretor de filmes para massas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso