Diário da Região

29/03/2017 - 09h09min

PHILIPPE FAUCON

O filme Fatima e o imigrante islâmico na França

PHILIPPE FAUCON

Na entrevista que deu ao Caderno 2, de Paris, pelo telefone, o diretor de Os Cowboys, Thomas Bidegain, ficou muito contente de saber que Fatima também está em cartaz nos cinemas brasileiros. Ele gosta muito do filme de Philippe Faucon e acha que, com o dele, os dois apresentam visões complementares sobre a questão islâmica na França.

Os Cowboys é sobre pai e filho que procuram a filha e irmã que fugiu de casa para se ligar a um islâmico. Fatima é sobre essa mulher argelina que cria com dificuldade suas duas filhas na França. Os Cowboys é um filme de gênero, um western contemporâneo. Fatima não segue nenhuma trilha de gênero. É um drama - ficção -, mas com uma pegada verista, quase de documentário.

Apesar do título, a história não é só de Fatima, mas de suas duas filhas. O que está em discussão é a integração dos estrangeiros. A França, tradicionalmente, sempre foi um país que, dentro da tradição republicana, deu abrigo a exilados. Em tempos mais recentes, tem havido resistência - dos conservadores e direitistas - aos direitos dos magrebinos.

As filhas nasceram na França, dominam a língua do país. A mãe, divorciada, não. Fala o árabe argelino. Em francês, é analfabeta. Mas dá duro para manter as filhas na escola, e para que a mais velha entre na faculdade. Essa garota reconhece o esforço da mãe. Respeita-a. A mais nova vive agredindo Fatima porque trabalha como faxineira. Limpa a m... dos outros. A revolta consome a jovem, que apresenta baixo rendimento nos estudos. Faucon fez um filme extremamente econômico. Austero.

Há algo de Abdellatif Kechiche nessa questão da linguagem inserida no drama. Assim como a filha se prepara para o bac, o vestibular, a mãe também ingressa num curso para aprender francês. O desfecho marca uma etapa. É visto como parte de um processo de crescimento. Nada de gran finale - discrição.

Fatima ganhou os principais prêmios do cinema da França em 2015/16. Prêmio Louis Delluc - o chamado Goncourt do cinema -, Prêmio do Sindicato Francês de Críticos, Prix Lumière, da Associação de Jornalistas Estrangeiros, para o melhor roteiro. Coroando tudo isso, o César - o Oscar francês - como melhor filme e melhor roteiro adaptado (de Prière à la Lune, de Fatima Elayoubi). Com tudo isso, faltou um prêmio para Soria Zeroual, excepcional no papel-título.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso