Diário da Região

14/05/2015 - 00h01min

Quadrilha de roubo de gado

Justiça revoga prisão de 'Português'

Quadrilha de roubo de gado

Acusado de integrar uma quadrilha especializada em roubo e furto de gado que agia no Vale do Paraíba, o fazendeiro Antonio Carlos Laia Cristovão, de 49 anos,  conhecido como "Português" e que é de Sales, teve a prisão temporária revogada anteontem pela Justiça. O fazendeiro, que até então era considerado foragido pela polícia, alega que comprou e pagou R$ 140 mil por 72 cabeças de gado sem saber que eram roubadas. O gado, apreendido pela Polícia Civil de Guaratinguetá no dia 11 de março em uma fazenda em Sales, havia sido roubado por uma quadrilha no dia 4 do mesmo mês de outra fazenda, em Guaratinguetá. A ação dos bandidos foi filmada pelo circuito  de câmeras da propriedade.

"Comprei o gado do Oscar [Oscar Fernandes da Silva Neto, 61 anos] e vendi para o Diogo Castilho. Eu compro e vendo gado, tudo direito, com nota. Esse delegado é novo, quis se aparecer e vai pagar caro por isso", afirmou Português. O advogado do fazendeiro, Jorge Salomão, informou que apresentou a defesa do cliente ao Ministério Público de Guaratinguetá. "As outras pessoas foram denunciadas, mas sobre o Antonio Carlos não recai nenhuma acusação de roubo ou receptação. A Justiça entendeu que ele é inocente e agora é testemunha de acusação. Por isso teve a prisão temporária revogada e a preventiva indeferida", disse.

Além dele, outros dois suspeitos tiveram a prisão preventiva decretada: Oscar Fernandes da Silva Neto, 61 anos, e Roberto Souza Alves Filho, 39, ambos da região de São José dos Campos. A polícia conseguiu prender Alexandre de Souza Silva, de 38 anos, suspeito de ser o responsável por levantar as informações para o grupo. Alexandre está preso na cadeia de Lorena. A investigação policial, que teve início há seis meses, aponta a participação da quadrilha em pelo menos cinco roubos de animais registrados só neste ano na região do Vale do Paraíba. 

Investigação continua

O delegado Francisco Sannini Neto informou que Português continua sendo investigado, mas não quis dar detalhes do andamento das investigações para não "atrapalhar o trabalho". "É preciso ficar claro para a sociedade que o Estado tem instituições que prezam pelo combate a criminalidade. A Polícia Civil o indiciou. O parecer é que ele concorreu para esses crimes. Agora, o Ministério Público entendeu de forma diversa", disse o delegado.


 

>> Leia aqui o Diário da Região Digital

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso