Diário da Região

26/07/2016 - 00h00min

NOVAS REGRAS

Chegou a hora dos baixinhos na PM

NOVAS REGRAS

Guilherme Baffi Fabricio, 24 anos, passou na prova escrita, mas por um centímetro foi reprovado. Tem 1m64 e o exigido era 1m65. Está empolgado: “Agora sim. Vamos voltar para os livros”
Fabricio, 24 anos, passou na prova escrita, mas por um centímetro foi reprovado. Tem 1m64 e o exigido era 1m65. Está empolgado: “Agora sim. Vamos voltar para os livros”

Paola mede 1m55. Fabricio 1m64. Apelidos por causa da altura foram muitos. Isso nunca foi um problema para eles até o dia que resolveram ingressar na Polícia Militar. Os dois prestaram o concurso em 2014, passaram na prova escrita, mas foram barrados no exame físico. Agora, estão confiantes para prestar o concurso novamente. Para eles e outras baixinhas e baixinhos, altura não é mais empecilho.

A Lei de Ingresso da PM, sancionada na semana passada pelo governador Geraldo Alckmin, padroniza as regras para ingresso na Polícia Militar - antes, as regras estavam espalhadas por uma série de decretos e portarias separadas. Uma das mudanças é que caiu em cinco centímetros a estatura mínima para ingressar na corporação. No caso dos homens, de 1m65 para 1m60. No caso das mulheres, de 1m60 para 1m55.

“Agora sim. Vamos voltar para os livros”, disse o microempreendedor Fabricio da Costa Freire, 24 anos, que prestou duas vezes o concurso e não passou na prova escrita. “Quando passei, me preparei um ano para a física, cheguei a emagrecer 30 quilos. Fiz acompanhamento com personal trainer, sentia que estava preparado, mas não passei por um centímetro”.

Fabrício conta que o sentimento de frustração foi grande. “Por um centímetro, vi meu sonho indo embora. O pior é que, mesmo reprovado fiquei para ver os testes físicos e tinha gente lá com a altura, mas não conseguia correr, fazer as flexões".

Filha de militar, a jornalista Paola Amanda Munhoz, 22 anos, sempre sonhou em seguir a carreira do pai, cabo da PM, mas não foi aprovada por ter cinco centímetros abaixo do que era exigido. “A primeira coisa é a aferição da sua altura, não tive a oportunidade de fazer os testes físicos”, disse a jovem que faz cursinho para prestar novamente. Ela estuda 3 horas por dia e com a nova lei, a motivação foi renovada. “Eu ia prestar de novo e entraria com um recurso. Mas agora fico mais tranquila já que a altura não me barra mais. Essa mudança é ótima porque a Polícia Militar está precisando de efetivo. O importante é gostar da profissão”.

Idade

pm 26072016 Clique para ampliar

Outra mudança está na idade mínima para participar do concurso. Antes, os editais determinavam apenas que o candidato tivesse concluído o ensino médio. Com a lei, é preciso que, além de ter fechado o colegial, o ingressante tenha no mínimo 17 anos. Dessa forma, aquele que começar a carreira como praça, sairá da Escola Superior de Soldados (ESSd) com 18 anos. Já o que entrar como oficial, se formará na Academia do Barro Branco (APMBB) com, no mínimo, 20 anos.

A lei altera ainda a idade máxima para ingresso. A nova legislação determina que os futuros policiais tenham, no máximo, 26 anos para o concursos gerais da PM e 35 para os quadros específicos (Oficiais de Saúde e Músicos). Essa medida, porém, não limita a idade dos já policiais, que podem subir de patente sem um limite etário - o soldado ou cabo, por exemplo, pode se tornar oficial independentemente da idade.

O Projeto de Lei Complementar 23/2016 formaliza o ingresso na PM, tanto para quem aspira à vaga de soldado, quanto para quem deseja o oficial. O texto determina ainda regras para ingresso na carreira como “ter boa conduta social, reputação e idoneidade ilibadas” e “possuir higidez física e mental”.

Para a PM, a nova lei padroniza as formas de acesso e cria uma “carreira única” na corporação. “A nova lei estabelece a possibilidade de o policial militar atingir novas patentes sem um limite etário - soldado ou cabo, por exemplo, pode se tornar oficial independentemente da idade. Traz segurança jurídica e critério de ingresso na corporação, o que é extremamente importante para os integrantes da PM como para os futuros candidatos”, enumera o capitão Ederson Merighi Pinha.

Altura não é problema

A diminuição da estatura mínima não altera a capacidade de autuação no policiamento, conforme o capitão, em razão das técnicas e do preparo ao qual o Policial Militar é submetido durante sua formação. "A flexibilização dos padrões exigidos pela PM possibilita abranger um número maior de candidatos vocacionados ao serviço na instituição, que possuíam grande aptidão para o serviço e não podiam ingressar em razão da altura mínima antes fixada. A idade máxima também abre oportunidade para pessoas que, por um ou outro motivo, demoram mais tempo para ingressar na corporação".

O último concurso para soldados teve 60 mil inscritos para 2 mil vagas. Já o processo seletivo para oficiais da Academia da PM do Barro Branco (APMBB) teve 15.313 inscritos, com uma proporção de 64 candidatos por vaga.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso