Diário da Região

09/09/2016 - 00h00min

INVESTIGAÇÃO

Três funcionários do Fórum de Jales são presos por esquema

INVESTIGAÇÃO

Belisário/Editoria de Arte Clique na imagem para ampliar
Clique na imagem para ampliar

Três funcionários da Justiça de Jales foram presos pela Polícia Civil de Fernandópolis na quinta-feira, dia 8, por suspeita de participação em um esquema para relaxar a fiscalização para dois detentos do regime aberto. Entre os detidos está o chefe do cartório da Vara de Execuções Criminais, Francisco Boiate. Os outros presos são Alécio Nogarini e Maurício Seixas, subordinados de Boiate.

Por regra da Justiça, os detentos com bom comportamento têm direito, no regime aberto, a dormir em casa. Mas eles têm restrições, como não frequentar bares ou ficar na rua após as 22h. Caso sejam flagrados, voltam imediatamente para o regime fechado.

Segundo a investigação, os dois detentos beneficiados pelo esquema estavam presos em Fernandópolis. Durante o regime aberto, eles informaram à Justiça que tinham se mudado para Jales. Automaticamente, os funcionários do setor de Execuções Criminais de Jales deveriam repassar os endereços dos dois à Polícia Militar, para que fosse feito o monitoramento dos detentos.

Segundo informações da polícia, os suspeitos tinham a responsabilidade de fiscalizar os detentos, mas, de acordo com a investigação, não teriam cumprido com a função. Apesar de informar que moravam em Jales, os detentos continuavam em Fernandópolis, livres do monitoramento policial. Há ainda suspeita de que continuavam envolvidos em práticas criminosas. Os dois detentos voltaram para a cadeia, em regime fechado.

ESQUEMA 09092016 Clique na imagem para ampliar

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Fernandópolis investiga há quanto tempo o esquema funciona e quantos detentos foram beneficiados.

Toda a investigação foi iniciada com base na denúncia de um ex-detento, feita no ano passado. Com base no inquérito, o juiz da 2º Vara Criminal de Fernandópolis, Arnaldo Valderrama, expediu mandados de busca e apreensão nas casas dos servidores suspeitos.

À polícia, os três servidores negam participação no esquema. Eles foram enviados para a cadeia de Guarani d’Oeste para cumprimento de prisão temporária.

Outro lado

Roberto Mendes Dias, advogado de Boiate, afirma que não teve acesso à cópia do inquérito. “Todos, inclusive companheiros de trabalho, estão surpresos com a prisão. Vou aguardar amanhã a polícia informar qual é a acusação”, disse.

Procurados pela reportagem, os advogados de Nogarini e Seixas não se manifestaram.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso