Diário da Região

28/08/2016 - 00h00min

QUEIMANDO DINHEIRO

Rio-pretense vai gastar este ano mais com fumo do que com livro

QUEIMANDO DINHEIRO

Guilherme Baffi 26/8/2016 Somando idas e vindas, Thais Celentano já fuma há 16 anos; atualmente, a média é de um maço por dia, a um custo de R$ 8,75 cada
Somando idas e vindas, Thais Celentano já fuma há 16 anos; atualmente, a média é de um maço por dia, a um custo de R$ 8,75 cada

Às vésperas do Dia Nacional de Combate ao Fumo, celebrado nesta segunda-feira, dia 29, uma notícia ruim para saúde e cultura ao mesmo tempo. O rio-pretense vai gastar esse ano mais com cigarro do que com livros e material escolar.

A estimativa é do Índice de Potencial de Consumo (IPC) Maps 2016, calculado com base no histórico de consumo e no potencial de compra dos rio-pretenses. Os especialistas também utilizaram para os cálculos a estrutura domiciliar.

De acordo com os dados, o rio-pretense vai gastar neste ano R$ 86,4 milhões com fumo. Enquanto isso, os gastos com livros e material escolar devem ser de R$ 52,9 milhões. O consumo de artigos de limpeza também perde para o cigarro. A expectativa é de que a população de Rio Preto consuma R$ 75 milhões nesses itens de higienização.

A explicação para o consumo de tabaco ser maior que o de livros é simples. Quem fuma, compra cigarro todos os dias. Levando em conta o consumo de um maço por dia, considerando o preço médio de R$ 8, o gasto é de R$ 240 no mês. "Realmente, todos os dias compro cigarro. Já livro, o último que comprei foi em fevereiro", disse a rio-pretense Thais Celentano, 36 anos, coordenadora do curso de moda da faculdade Unirp.

Thais ajuda a engrossar os números de consumo de cigarro em Rio Preto. Somando idas e vindas, ela fuma há 16 anos. A média é de um maço por dia, a um custo de R$ 8,75 cada, ou seja, ela já investiu R$ 50,4 mil em um produto prejudicial à saúde. O marido dela também fuma então esse gasto mensal é dobrado.

"Primeiro fumei por 13 anos, depois minha mãe teve um problema de saúde e isso me motivou a parar. Durante cinco anos fiquei sem fumar. Aí perdi minha mãe, fiquei meio desgostosa com a vida e voltei há três anos. Eu e meu marido fumamos, então melhor nem colocar na ponta do lápis quanto nós gastamos com isso", disse.

A advogada I.C., 23 anos, é outra que colabora com o consumo de tabaco em Rio Preto. Ela é fumante há quatro anos. "Comecei com um, dois cigarros de final de semana, com os amigos, brincando. Depois fui aumentando gradualmente. Hoje fumo um maço por dia, às vezes mais durante o final de semana. Acaba criando o hábito. Quando bebo, fumo mais, e quando estou dirigindo sinto a necessidade de fumar", disse.

Por outro lado, a advogada afirma que também gasta com livros. "Tem mês que gasto mais com livros do que com cigarro. Leio bastante também e os livros de direito são caros", afirmou.

Abrevia a vida

O cirurgião torácico Aldemir Bilaqui, do Instituto de Moléstias Cardiovasculares (IMC), afirma que uma pessoa que fuma um maço por dia está encurtando sua vida em pelo menos oito anos. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), 90% dos casos de câncer de pulmão estão associados ao consumo de derivados de tabaco. "O cigarro não só mata como também provoca a piora na qualidade de vida. É um gatilho para o aparecimento de praticamente todos os cânceres", disse.

O especialista ainda afirma que a gravidade aumenta no caso de mulheres grávidas. "Nas mulheres, o cigarro deixa a pele mais enrugada. Nas grávidas, o consumo de um cigarro equivale a 20 cigarros para o feto. O cigarro só faz mal. Quem fuma deve parar agora", disse.

Câncer de pulmão

Um dos efeitos mais graves do consumo de cigarro é o câncer de pulmão. O problema maior é que, na maioria dos casos, o diagnóstico é feito tardio porque a descoberta só ocorre por um acaso em exames de imagem.

"O câncer de pulmão só causa sintomatologia quando está em estado muito avançado. Nesta condição, só tratamento paliativo pode ser instituído. A maioria dos tumores pulmonares são achados incidentais de exame de imagem, tanto na radiografia de tórax quanto na tomografia computadorizada, realizados em pacientes de risco para desenvolvimento da doença (como tabagistas), ou por outro motivo qualquer", explica Arthur Soares Souza Júnior, médico radiologista do Ultra-X.

O diagnóstico tardio aumenta drasticamente a mortalidade pela doença. No Brasil, a estimativa é de que esse tipo de câncer seja responsável por 22 mil mortes por ano.

Rede pública ajuda a parar

Fumantes que têm interesse em parar de fumar podem procurar, de graça, ajudar na rede pública de saúde de Rio Preto. O apoio é oferecido nas unidades de saúde do Santo Antônio, Solo Sagrado, Vila Toninho, Rio Preto 1, Jardim Americano e Estoril.

Para participar, basta procurar a unidade e deixar o nome na lista para o próximo grupo que iniciará. O programa oferece adesivo de nicotina, goma de mascar de nicotina e remédio bupropiona para os pacientes que podem tomar as medicações.

Em todos os centros antitabagismo do município, as equipes são formadas por enfermeira, médico clínico geral e psicóloga.

O tratamento é realizado por meio de abordagem cognitivo-comportamental. O usuário passa por uma primeira avaliação e depois é submetido ao teste Fagerstrom, que avalia o grau de dependência de cigarro do paciente. Em seguida, o usuário é encaminhado a um médico que vai fazer uma avaliação clínica e explicar os danos e agravos à saúde causados pelo uso do tabaco.

Durante a consulta é fornecida orientação médica e são solicitados exames, como avaliação cardiopulmonar e nível de oxigenação do sangue. Após as avaliações da enfermagem e clínica, o paciente é encaminhado a um grupo de orientação, coordenado por uma psicóloga.

São quatro sessões de terapia, com duração de uma hora e meia. No 1º mês, as sessões são semanais, no 2º mês, quinzenais, do 3º ao 12º mês, mensais.

Na Unimed, o "Você Pode Parar de Fumar" também ajuda a largar o vício. O programa apresenta 52% de sucesso. Os grupos são formados por no máximo 15 pessoas, que passam por atendimento com psicólogos, enfermeiros, médicos e nutricionistas. O telefone para contato do grupo é o (17) 3202-1120.

Dicas para abandonar o tabaco

O primeiro e fundamental passo é realmente querer

O fumante deve marcar uma data dentro dos próximos 15 dias e optar entre deixar de forma abrupta (a pessoa fuma normalmente e, a partir do dia escolhido, não fumará mais) ou gradualmente. Caso seja de forma gradual, é importante estabelecer o número de cigarros a cada dia anterior à parada total e seguir a regra. Caso contrário, o método pode não funcionar

Nos primeiros dias sem fumar, o corpo começa a se adaptar à ausência da nicotina. Podem aparecer alguns sintomas, como dores de cabeça, formigamento das mãos e dos pés, tosse, ansiedade e vontade intensa de fumar. O desconforto desaparece após uma ou duas semanas sem fumar

Para reduzir a vontade de fumar, experimente beber água gelada ou mastigar canela em pau, cravo, cristais de gengibre, barra de cereais ou chiclete sem açúcar. Estes itens devem estar sempre à mão

Praticar atividade física e receber apoio de familiares e amigos são grandes aliados

Profissionais de saúde sempre podem ajudar um fumante a deixar o cigarro

Fonte - Fundação do Câncer Alfredo Scaff

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso