Diário da Região

14/09/2017 - 22h29min

SAIBA TUDO

À beira de um ataque de nervos

SAIBA TUDO

Pixabay/Divulgação NULL
NULL

Se você perde o foco por qualquer razão e sente-se à beira de explodir, pode estar estressado. Conheça como funciona o estresse no organismo e saiba como se manter longe dele.

Prazer, eu sou o estresse

O estresse é uma reação normal quando surge uma tensão diante de uma situação ou relacionamento. Esse quadro quebra o equilíbrio interno do organismo, a homeostase. Os órgãos do corpo param de funcionar em perfeita harmonia. Se a situação se resolve e a pessoa fica mais calma, tudo resolvido. O problema é quando esse quadro se prolonga por um tempo longo. Ele atinge qualquer pessoa, desde a infância, pela cobrança dos pais, por exemplo, até a terceira idade

O estresse dá as caras

Quando ocorre algo e a pessoa acredita, ainda que de forma não totalmente consciente, que é difícil lidar com esse fato, pode surgir o estresse. Para enfrentar essa situação, o organismo libera, por meio das glândulas suprarrenais, adrenalina e cortisol, hormônios que surgem diante do perigo, como uma forma de proteção. Eles são necessários e o que garantiu a sobrevivência da espécie humana até aqui. Representam o cérebro mandando o corpo se defender. Antes, esses hormônios eram um aviso do corpo para que o ser humano corresse do animal selvagem que ameaçava sua vida, por exemplo. Hoje, na maioria das vezes, esse não é o caso e eles são secretados em situações em que se acredita haver perigo, como a possibilidade de um acidente e diante das dívidas que se acumulam, por exemplo. A adrenalina tem ligação com a ansiedade.

Não passou

Depois de um episódio em que a pessoa se sentiu ameaçada de qualquer forma e as glândulas suprarrenais secretaram adrenalina e cortisol, o organismo precisa se estruturar normalmente, voltar ao normal, retomar a frequência cardíaca. Se acontece de novo, a situação não se resolveu e a pessoa não consegue lidar de maneira tranquila com isso. O corpo permanece em tensão.

Faz parte da vida

Antes de sair dizendo que está estressado, tenha calma. É normal ficar nervoso algum dia. Todo mundo parece concordar que o tempo está cada vez mais escasso. Parece que todos estão sempre correndo até o próximo compromisso. Dorme-se menos e com mais problemas na cabeça. Não é estresse crônico se o quadro de tensão se resolve com uma boa noite de sono ou se você consegue lidar bem com a questão que o deixou para baixo. O problema é quando o quadro persiste. A vida de todas as pessoas tem situações que podem ser consideradas estressantes. Um dia mais longo no trabalho, problemas com os filhos, falta de dinheiro, desemprego, uma doença. Cada um lida de uma maneira com a adversidade, respondendo de forma diferente. Há quem apresente um quadro de estresse crônico após um único episódio, como a morte de alguém ou a demissão, ou ele pode surgir em decorrência de um problema contínuo, como uma doença.

Sinais e problemas causados pelo vilão

  • Tensão muscular
  • Acidez no estômago
  • Apatia e falta de vontade de desenvolver atividades
  • Sensação de incompetência
  • Irritabilidade excessiva
  • A pessoa não se desliga do assunto que está provocando o desconforto
  • Insônia ou sono excessivo
  • Acordar cansado mesmo após uma boa noite de sono
  • Coração acelerado
  • Dores de cabeça
  • Muita fome ou falta de apetite
  • Intestino preso ou solto
  • Predisposição a problemas como arritmia, infarto, úlcera e gastrite
  • O cortisol, hormônio liberado durante um episódio estressante, afeta todos os órgãos do corpo de dentro para fora. Onde ele chegou com mais força, podem aparecer doenças

Mantendo a fera longe

Como todas as doenças, o melhor caminho é a prevenção. As dicas também valem para quem já está sob o efeito do estresse.

  • Faça uma atividade relaxante como meditação e yoga.
  • Faça atividades físicas, mas consulte o médico antes. Se ele liberar, os exercícios aeróbicos são muito bons contra o estresse. Eles aceleram os batimentos cardíacos, o que também ocorre em situações tensas. Quando elas vierem, o corpo já reconhece a sensação e desta forma o estresse e a ansiedade não chegam com tanta força. Além disso, movimentar o corpo libera os hormônios do bem-estar, como a serotonina, deixando sim o praticante mais feliz e relaxado.
  • Respire profundamente. Expire. Utilize o diafragma, aquele músculo que fica abaixo do pulmão e separa a caixa torácica da abdominal. A respiração manda uma mensagem para o cérebro e o oxigena. Isso relaxa e diminui o nível dos hormônios causadores do estresse.
  • Alimente-se bem. Algumas comidas contêm triptofano, aminoácido que ajuda a liberar os hormônios do bem-estar serotonina e endorfina, que agem como antidepressivos naturais. Ele também é secretado durante a atividade física. Pode ser encontrado por exemplo na banana, leite, queijo, peixe, ovos, soja, sementes de gergelim e abóbora, frango, amendoim e chocolate. Além disso, uma boa alimentação colabora para uma boa saúde e isso diminui seu nível de estresse.

Fontes: Adalberto Menezes Lorga Filho, cardiologista; Bruna Rafaela de Marchi, psicóloga especialista em terapia cognitivo-comportamental; Uruhahy Barroso, psiquiatra

 

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Aguarde, carregando...

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mas.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Regiao

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos trás primeiros meses após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conte?do gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 mat?rias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Regiao
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos trás primeiros meses, após o período R$ 16,90

Já é assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.