Diário da Região

30/05/2017 - 00h00min

ADAPTAÇÃO NA MARRA

Rodrigo deixou Rio Preto aos 17 anos e construiu família no Japão

ADAPTAÇÃO NA MARRA

Arquivo Pessoal Rodrigo Ferreira Braga, 39 anos, é casado e tem dois filhos
Rodrigo Ferreira Braga, 39 anos, é casado e tem dois filhos

Rodrigo Ferreira Braga saiu do Brasil ainda na adolescência - aos 17 anos – com destino ao Japão. Levou na mala uma oferta de emprego e a expectativa de melhores condições de vida. Chegou ao país oriental sem saber o idioma, mas, hoje, 23 anos depois, está completamente adaptado. Casou-se com a japonesa Ritsuko Braga e tem dois filhos, Livia, 15 anos, e Gianlucca, 10. A ligação de Rodrigo, que hoje tem 39 anos, com o Japão é de família. O avô materno fez o caminho oposto ao dele. 

Nasceu no Japão e veio para o Brasil ainda bebê com a família. Por aqui, casou-se com uma brasileira e formou família. Apesar da descendência japonesa, Rodrigo diz que teve pouco contato com a cultura durante a infância e a adolescência. Só conheceu de verdade quando chegou ao Japão. O rio-pretense conta que sofreu com a adaptação. “Como todo estrangeiro, passei por dificuldades primeiro por não saber a língua nativa. Segundo por estar sozinho. Aprendi a me virar meio que na marra,” conta.

A falta do idioma causou algumas confusões em coisas básicas, como cortar o cabelo, ir a um restaurante ou ao médico. “Teve uma vez que queria comprar óleo de cozinha e comprei suco de abacaxi por não saber a escrita. Já me perdi muitas vezes. Pegava o trem errado pra voltar pra casa e ia para outro lugar. Mas uma coisa você pode ter certeza, quando estiver perdido ou precisando de alguma coisa, sempre vai ter um japonês que irá te ajudar,” conta.

Mas os problemas do início da estadia foram superados. Hoje sabe falar o básico em japonês e conseguiu criar uma família e ter a própria casa. Trabalha em uma empresa que faz reparos em vidros automotivos. “Um tipo de serviço que você lida com o cliente pessoalmente e sai um pouco da rotina de trabalhar em fábricas.” Nascido em São Paulo, Rodrigo veio para Rio Preto ainda criança. “Tenho Rio Preto como minha cidade natal, adoro muito.” Daqui foi para o oriente.

Há 11 anos, mora em Okayama, mas já viveu em outras quatro cidades: Shizuoka, Kanagawa, Tóquio e Nagoya. Perto de Osaka ou Tóquio, diz que Okayama é uma cidade pequena, com seus 1,9 milhão de habitantes. As duas primeiras têm 9 e 10 milhões de moradores, respectivamente. “Aprendi a gostar daqui. É uma região conhecida por ter suas plantações de pêssego e uva”, diz Rodrigo. “Por ser uma cidade de interior, você sente os japoneses bem mais acolhedores, mais prestativos, sem aquela correria.”

A segurança e a honestidade são destacadas pelo rio-pretense. “Ser honesto aqui é algo normal. Lógico que existem os ladrões, mas são bem poucos.” Rodrigo também destaca a qualidade de vida. Diz que consegue oferecer conforto aos filhos e mulher, algo que não tem certeza que conseguiria no Brasil. Os familiares, inclusive, não conhecem o seu país natal. “Espero um dia poder levar minha família para conhecer o Brasil e especialmente Rio Preto. Ainda não tive essa oportunidade.”

O respeito aos pedestres no trânsito é enaltecido pelo rio-pretense. Assim como o sistema de saúde. Diz que em termos médicos o Japão é exemplo. “Quando você passa mal, já faz exames, sai o resultado e é diagnosticado no mesmo dia,” diz, explicando que o sistema é mantido por um seguro obrigatório pago metade pela empresa, metade pelo empregado. Toda família pode usar e o seguro é o mesmo, independente da classe social.

Okayama, Japão

  • Continente: Ásia
  • Habitantes: 1,9 milhão
  • Brasileiros no país: 179 mil
  • Distância até Rio Preto: 18,4 mil km
  • Fuso horário: está 24 horas à frente

Curiosidades:

  • No passado, a cidade foi um local de imensa atividade cultural e intelectual.
  • Considerado o maior samurai de todos os tempos, Miyamoto Musashi nasceu na cidade de Mimasaka, na província de Okayama.

Não deixe de...

… conhecer:

  • O parque Washuzan Highland, que entre outras, conta com atrações típicas do Brasil, como samba, sucos naturais e brinquedos populares por aqui, como montanha-russa e roda gigante.
  • Korakuen, considerado um dos três mais belos jardins japoneses.

… provar:

  • o kibi dango, bolinho feito de farinha de arroz, açúcar e quinoa, típico da província.

 

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso