Diário da Região

07/03/2017 - 00h00min

COLÔMBIA

O rio-pretense que escolheu Bogotá como seu novo lar

COLÔMBIA

Formado em desenho industrial, o rio-pretense Dair Biroli, 31 anos, foi para o Canadá, para fazer curso de animação clássica na Vancouver Films School. Permaneceu por dois anos e conheceu a namorada, a colombiana Andrea Castillo, 27. Ao final do curso, decidiram conhecer o país um do outro para, então, decidirem onde ficariam. Há um ano, o casal mora em Bogotá, capital da Colômbia.

"Devido ao trabalho, procurávamos uma cidade com maiores opções comercialmente e com custo e qualidade de vida bons. No Brasil, apenas São Paulo e Rio teriam esse mercado, mas, com todos os problemas sociais, políticos e econômicos do momento, optamos por aqui", disse o rio-pretense, que mora com a "namorida", como se refere a Andrea, em um apartamento no bairro de Usáquen. Não têm filhos, mas uma cachorrinha, a Lila.

Uma das diferenças constatadas por Dair em relação ao Brasil é em relação às casas e prédios. Tanto no Canadá quanto na Colômbia os imóveis geralmente não têm muros. "No Brasil tudo tem muro, as pessoas meio que se acostumaram a se esconder, o que é um pouco triste," lamenta.

Dair já foi designer das revistas VIP e Galileu. Atualmente, é empresário, dono de um estúdio on-line de animação e motion design chamado Motionauts. "Produzimos vídeos em animação, principalmente para os mercados norte-americano e japonês", disse o rio-pretense, que cresceu na Boa Vista, em Rio Preto.

Sente saudades dos familiares e amigos, mas é muito bem tratado em Bogotá. Tratamento que não o surpreende, afinal recebeu referências da própria namorada, que cresceu por lá. Diz que os colombianos são abertos e comunicativos. "Tenho uma ótima relação com meus vizinhos. A vida é bem calma, o bairro tem várias opções e os colombianos são bem receptivos e educados."

O que não significa que a adaptação foi completa desde o início. O idioma causou certa dificuldade, principalmente pelas palavras próximas na escrita e na fala, mas com significados diferentes (os falsos cognatos). Além disso, considerou Bogotá uma cidade fria. "Pensava que, por ser em uma zona equatorial, a temperatura seria alta. Pode trazer blusa aqui que é sempre friozinho."

Entre as facilidades, Dair cita a locomoção, facilitada pela cidade ser planejada e as ruas identificadas por números. Gosta dos parques e praças, das opções culturais e da arquitetura. "Os prédios não têm mais do que seis andares e a cidade não parece tão densa e superpopulosa, o que causa uma certa sensação de familiaridade e segurança. A poluição é menor que da cidade de São Paulo."

Dair também exalta a gastronomia colombiana. Ótima, na opinião dele. O que mais gosta é o ceviche de camarão. Entre as bebidas, destaca também o café, mas, principalmente, a limonada de coco. "Não sei como isso não é popular no Brasil. É muito bom," diz o rio-pretense, que pensa em vir ao Brasil apenas para visitas. A primeira desde que chegou à Colômbia deve ser no meio do ano.

Está satisfeito e considera que a vida que leva é melhor do que esperava. "Pensava que Bogotá seria algo parecido com São Paulo, mas é bem diferente. Vivi na capital por quatro anos e sempre estava com doenças respiratórias por causa da poluição. Hoje tenho uma qualidade de vida bem melhor."

Entre as semelhanças dos povos está a paixão pelo futebol. Algo que ficou mais explícito após o acidente que vitimou o time da Chapecoense, que viajava para Medellín. "O colombiano curte futebol no mesmo nível que o brasileiro e acho que toda a questão de ser um time pequeno, de triunfar, chegar a uma final e acabar assim em uma tragédia emocionou o país todo."

Bogotá, Colômbia

Continente: América
Habitantes: 8 milhões
Brasileiros no país: 17 mil
Distância até Rio Preto: 3,9 mil km
Fuso horário: está 2 horas atrás

Curiosidades:

Bogotanos, rolos ou cachacos são como são chamadas as pessoas que nasceram/vivem em Bogotá. São conhecidos por sua hospitalidade

Durante a primeira metade do século XX, a cidade foi chamada de Atenas Sul-americana, isso devido suas bibliotecas, universidades e seu culto pela linguagem

Não deixe de...

... conhecer:

A Catedral de Sal Zipaquirá, construída dentro de uma mina de sal

O bairro da Calendária, famoso pelas casas antigas, da época da colonização espanhola

... provar:

O café colombiano, tido como o mais gostoso do mundo.

A cafeteria Juan Valdez é uma das mais famosas

A badeja paisa, um prato nada leve servido com arroz, feijão, carne, torresmo, abacate e platano (banana) frito

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Diário da Região

Esperamos que você tenha aproveitado as matérias gratuitas!
Você atingiu o limite de reportagens neste mês.

Continue muito bem informado, seja nosso assinante e tenha acesso ilimitado a todo conteúdo produzido pelo Diário da Região

Assinatura Digital por apenas R$ 1,00*

Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90
Diário da Região
Continue lendo nosso conteúdo gratuitamente Preencha os campos abaixo para
ganhar + 3 matérias!
Tenha acesso ilimitado para todos os produtos do Diário da Região
Diário da Região Digital
por apenas R$ 1,00*
*Nos três primeiros meses. Após o período R$ 16,90

Já é Assinante?

LOGAR
Faça Seu Login
Informe o e-mail e senha para acessar o Diário da Região.
Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para acessar o Diário da Região.