Diário da Região

12/01/2017 - 15h00min

BARBÁRIE

Mãe confessa ter matado filho a facadas; parentes falam em homofobia

BARBÁRIE

Reprodução Itaberlly Lozano foi morto a facadas e teve seu corpo queimado em um canavial na zona rural da cidade. (Foto: Reprodução)
Itaberlly Lozano foi morto a facadas e teve seu corpo queimado em um canavial na zona rural da cidade. (Foto: Reprodução)

A Polícia Civil de Cravinhos, no interior de São Paulo, prendeu nesta quarta-feira, 10, um casal suspeito de ter matado o filho de 17 anos. Itaberlly Lozano foi morto a facadas e teve seu corpo queimado em um canavial na zona rural da cidade.

Policiais acreditam que a morte tenha ocorrido em 29 de dezembro, apesar de seu corpo ter sido encontrado dias depois. O desaparecimento foi relatado na semana passada pela avó do rapaz, e ele foi reconhecido graças uma pulseira que estava ao lado do corpo carbonizado.

A mãe do jovem, Tatiana Lozano, que é gerente de um supermercado, confessou o crime e disse ter matado o filho a facadas durante uma briga. Isso porque ele teria ameaçado a família e estaria usando drogas. Já familiares disseram à polícia acreditar que o crime tenha motivação homofóbica - a vítima era gay.

Após a morte, o marido dela e padrasto do rapaz, Alex Pereira, teria levado o corpo para o canavial ao lado da Rodovia José Fregonesi e queimado. Segundo a mulher, ele e o filho do casal - um menino de 4 anos - não teriam presenciado a morte.

Para a polícia, no entanto, o casal teria participado junto do crime e, por isso, os dois foram autuados por homicídio duplamente qualificado, com agravantes, e ocultação de cadáver. Duas facas foram apreendidas. Os acusados não tinham passagem pela polícia.

O advogado do casal, Fabiano Ravagnani Júnior, informou que pedirá a liberdade dos clientes. A alegação é de que a mãe agiu em legítima defesa e sob forte emoção. Já o padrasto estaria dormindo e não teria visto o crime.

Repercussão

"Família em primeiro lugar", comentou nas redes sociais o jovem Itaberlly Lozano nas fotos que postou ao lado da mãe, do padrasto e do irmão tiradas no último Natal, dias antes de ser assassinado. Sua morte gerou comoção na cidade. 

"Tem um lugar reservado para esse tipo de alma, a alma de uma mãe assassina", comentou Vagner de Souza.

Outra moradora de Cravinhos, Jéssica Oliveira mostrou indignação "Essa mulher que diz ser mãe, não deveria nem ser chamada desse santo nome. Mãe pelo o que eu sei cuida, protege, ajuda... Por mais que temos defeitos, ela nos ajuda sempre."

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso