Música

  • Terça-feira, 22 de Agosto
  • Se não existe esforço, não tem progresso!

Matéria

Sábado, 12.08.17 às 00:00

Segunda noite do Planeta Rock reúne cinco atrações de peso

Francine Moreno
Weber Pádua/Divulgação RECORTAR1VAA_WEB
O Skank chega a Rio Preto ainda no pique da turnê comemorativa de 20 anos do disco Samba Poconé

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do
Diario da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Weber Pádua/Divulgação RECORTAR1VAA_WEB
O Skank chega a Rio Preto ainda no pique da turnê comemorativa de 20 anos do disco Samba Poconé

Todo fã de rock precisa, pelo menos uma vez na vida, ir a um grande festival que explora o estilo. O Rock in Rio, que é um dos festivais de rock mais pop do planeta, é uma das opções. De 15 a 24 de setembro, o Parque Olímpico, no Rio de Janeiro, irá receber uma das maiores festas de música do mundo e quem for vai curtir momentos memoráveis, com apresentações de bandas como Guns N’ Roses, Aerosmith, Bon Jovi, The Offspring, Red Hot Chili Peppers, entre outras. 

Enquanto o Rock In Rio não chega, os fãs podem ir neste sábado, 12, a partir das 16h, ao recinto de exposições de Rio Preto, para aquecer os pulmões e curtir a sexta edição do Planeta Rock, que é o maior festival de rock da região. O Skank, que se apresenta no dia 16 de setembro, no palco mundo do Rock In Rio, é uma das atrações deste sábado no evento rio-pretense.

Orgulho de Minas Gerais, a banda Skank é dona de uma respeitável galeria de sucessos e fãs que inflam pulmões para cantar todos os hits. O quarteto formado por Samuel Rosa (guitarra e voz), Henrique Portugal (teclados), Lelo Zaneti (baixo) e Haroldo Ferretti (bateria) jamais mudou de formação, já vendeu 5 milhões de discos e 1 milhão de downloads pagos. 

Depois da temporada de shows de Velocia, disco lançado em 2014, Skank iniciou em 2016 uma turnê comemorativa para celebrar os 20 anos do álbum Samba Poconé. Para a apresentação em Rio Preto, o grupo mineiro promete um bloco especial do disco e canções que a galera sempre adora ouvir. Canções como É uma Partida de Futebol, Tão Seu, Poconé, Eu disse a Ela e Garota Nacional. 

RAPPA_PLANETA ROCK O Rappa encerra o Planeta Rock, na madrugada. Show é o último da banda antes de “pausa indeterminada”

“Vamos tocar vários sucessos da banda e, aproveitando os 20 anos que o Samba Poconé completou ano passado, relembrar algumas músicas do álbum com o público. Temos muitas histórias daquela época e nos shows trazemos de volta aquele momento tão marcante na nossa carreira”, diz Henrique Portugal. 

O tecladista está ansioso para desembarcar em Rio Preto e participar do festival. “Hoje em dia temos mais de uma geração que conhece nossas músicas. Existem pessoas que vão para relembrar momentos marcantes em suas vidas e aquelas que aprenderam a gostar do nosso trabalho através do rádio. Vemos pais levando filhos e casais que tiveram nossas músicas como referência em seus relacionamentos. Mais importante é que o nosso trabalho continua fazendo sentido para o nosso público”, comenta Portugal.

O grupo, que está ainda na estrada com a turnê do Samba Poconé, já se prepara para o Rock in Rio, mas antes se preocupa com o momento atual, e Portugal manda um recado para o pessoal de Rio Preto. “Estamos muito ansiosos pra ver vocês e pode ter certeza que a gente vai fazer um grande show pra todo mundo aí.”

Além de Skank, o Planeta Rock terá apresentações de O Rappa, CPM22, Humberto Gessinger e Dado Villa-Lobos. Quem também promete um showzaço é o ex-integrante da Legião Urbana. Dado Villa-Lobos volta a Rio Preto com um show de rock puro. “Vamos com uma banda fabulosa na intenção de entreter e divertir com um repertório explosivo. O repertório do espetáculo vai dos grandes clássicos da Legião, passando por canções da minha carreira solo e uma inédita do meu próximo disco que sai em setembro”, conta ao Diário.

Com planos para lançar o novo disco, Exir, no próximo mês, Dado fala da necessidade de trabalhar. “Além de lançar o disco, vamos planejar uma saída decente desse buraco que nos metemos.” 

Por aqui, o cantor confirma faixas como Que País é Este, Índios, Há Tempos, Tempo Perdido e 7x1 no repertório. “Os festivais são imprescindíveis, sempre foram e sempre serão”, afirma.

“Num festival o que vale é a diversidade e a comunhão musical. Convoco a todos para uma experiência catártica, não deixem de vir.”

Os portões serão abertos às 16h. Além de Dado Villa-Lobos, CPM22, Humberto Gessinger, Skank e O Rappa, o evento terá a final do concurso de bandas. Os ingressos podem ser comprados no stander do Riopreto Shopping e nos sites www.guicheweb.com.br e www.planetarockriopreto.com.br.

Banda toca sucessos de 22 anos de carreira e canções do novo disco, lançado em abril

CPM 22, entre o suor e o sacrifício

A banda CPM 22 lançou em abril o disco Suor e Sacrifício, sétimo álbum de estúdio, seis anos após Depois de um Longo Inverno, de 2011. O grupo, há 22 anos na estrada, mostrou no novo trabalho evolução e amadurecimento. “Esse álbum é o espelho de nossas vidas e da maneira que pensamos”, afirma ao Diário o vocalista Fernando Badaui.

É neste clima que o grupo desembarca em Rio Preto para encontrar uma legião de fãs que sempre se manteve fiel e apoiou o grupo. “Nossos fãs são fiéis. Por onde a gente passa encontra uma turma que acompanha nosso trabalho, segue os mesmos ideais e influências”, diz.

Badaui vai cantar canções como Dias Atrás, Tarde De Outubro, Um Minuto Para o Fim do Mundo, Regina Let’s Go! e O Mundo Dá Voltas. “Nossos shows são uma confraternização da banda com os fãs. Preferimos fazer todos os sucessos. Mas claro que também apresentaremos cinco ou seis do novo disco.”

Baseado na experiência de mais de duas décadas de estrada, ele diz que uma banda novata precisa ter paixão pela música. “Os integrantes devem trabalhar em equipe, com o mesmo ideal, e se aproximar do estilo que gostam e se dedicar a ele, sem pensar apenas no sucesso. O dinheiro é consequência da música.”

Segundo Badaui, um músico de rock também deve “ter liberdade para falar o que pensa e criticar quando for preciso. É melhor ser um artista com ponto de vista e que quer mudar uma geração por meio da música do que ganhar apenas dinheiro.” (FM)

Comentários

Recomendadas

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Facilite seu acesso agregando uma
conta de rede social ao seu perfil
Sexo
Confirme seu cadastro

Para acessar nossos conteúdos especiais é necessario que você ative seu cadastro.

Acesse seu e-mail e clique no link que lhe enviamos. Caso não tenha recebebido, digite abaixo seu e-mail.