Música

  • Domingo, 20 de Agosto
  • Se não existe esforço, não tem progresso!

Matéria

Domingo, 18.06.17 às 00:00 / Atualizado em 16.06.17 às 19:20

CD completa 35 anos agonizando frente à tecnologia, mas não morre

Beto Carlomagno
Mara Sousa Júlio Monstro - 17062017
O produtor cultural Júlio Monstro, 44, não abre mão dos CDs. Ele compra de cinco a dez novos discos por mês. “Compro por paixão, gosto deles na mão”

Há 35 anos, uma pequena peça circular brilhante chegava ao mercado prometendo revolucionar a forma como se ouvia música. O Compact Disc, ou simplesmente CD, como acabou popularizado, se tornou o objeto de desejo de todo mundo, com seu som mais limpo e as facilidades que a mídia trazia, como saltar entre uma faixa e outra rapidamente. Para muitos, ali estava decretado o fim das fitas K7 e dos vinis. Corta para 2017. Completando três décadas e meia, os CDs sofrem para se manterem relevantes em um mundo de inovação tecnológica constante, enquanto os vinis, com 69 anos de vida, renasceram como uma fênix, se tornando objeto de desejo entre os amantes de música e colecionadores.

Diversos artistas agora lançam versões especiais em vinil para aproveitar esse nicho dentro do setor. A força dos serviços digitais em comparação com os produtos físicos fica clara quando analisamos o mercado de música brasileiro em 2016. Segundo o último levantamento mundial feito pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, sigla em inglês), enquanto o digital cresceu 23% no Brasil no período analisado, o físico (CDs, principalmente) registrou uma queda de 43,2%. As duas variações são em relação ao ano de 2015. Mas a principal questão é a seguinte: as pessoas estão comprando menos música, independentemente da forma como ela é comercializada. 

Quando falamos de serviços digitais, por exemplo, há uma grande diferença no mercado entre os que compram músicas e os que assinam plataformas de streaming. Em 2016, os downloads pagos de música registraram uma queda de 44,9% no Brasil. Já a receita gerada por serviços como Spotify, Deezer, Tidal e Apple Music, entre outros, saltou 52,4% na comparação com 2015. Segundo Paulo Rosa, presidente da Pro-Música Brasil, entidade que reúne as maiores empresas de produção musical fonográfica em operação no País, o streaming interativo, seja bancado por subscrições/assinaturas ou receitas de publicidade, está rapidamente convertendo-se no principal modelo de distribuição de música do setor fonográfico. 

“Acontece no Brasil exatamente o que vem acontecendo em quase todos os mercados do mundo: crescimento significativo de assinantes de plataformas de streaming de áudio, combinado com elevação, embora num ritmo mais lento, das receitas com publicidade originadas em plataformas de streaming de áudio e vídeo.” Mas não dá para culpar apenas os serviços de streaming pela situação que os CDs se encontram atualmente. Depois de sua ascensão meteórica nos anos 1990, os anos 2000 já mostraram que a jovem mídia teria muito mais pedras em seu caminho que aqueles que vieram antes dela. 

A evolução tecnológica logo permitiu que qualquer um, em casa, fizesse cópias de CDs e, com isso, a pirataria se espalhou. Bastava que um amigo ou conhecido tivesse o álbum original para que todos pudessem copiá-lo. Depois vieram os downloads ilegais de música. Neste ponto, já não era necessário que ninguém comprasse CDs, era só baixá-los e gravar. Ainda assim, a Pro-Música Brasil não acredita no fim do CD e outras mídias físicas. Segundo eles, o forte declínio nas vendas de CDs e DVDs no Brasil durante 2016 foi totalmente atípico e fruto, principalmente, de um quadro econômico desfavorável.

E uma parte do público também acredita nisso. O produtor cultural Júlio Monstro, 44, é um apaixonado pela mídia física e não abre mão de tê-las. Ele é um dos raros casos de pessoas que se recusam a utilizar serviços de streaming e continuam comprando CDs até hoje. “Não, não uso”, diz se referindo ao streaming. “Prefiro meus CDs, DVDs e vinis originais. Compro por paixão, gosto de tê-los nas mãos. É um ritual colocar um CD e trocá-lo ao final da audição. Faz parte da minha adolescência ter vinis e CDs e mantenho a tradição depois de tanto tempo”, conta. Ele compra entre cinco e dez CDs por mês, levando em conta os lançamentos daquele período e seu gosto pessoal. 

“Eu gosto também das edições com material inédito (Deluxe ou Superdeluxe) e alguns boxes de CDs bem bacanas.” O ritual de ter um álbum na mão, com sua capa, encarte e letras também é um dos fatores que fazem com que o bancário Lucas Blanco de Carvalho, de 38 anos, continue adquirindo CDs e deixando o streaming de lado. “Tive contas em alguns, inclusive no Spotify. Apesar deste ter me agradado muito, está inativo desde o início do ano”, diz. O primeiro CD que Lucas comprou foi o Slave to the Grind, da banda Skid Row, em 1993, e, desde então, acumula uma coleção de aproximadamente 2 mil itens, que vai aumentando mensalmente. Ele compra pelo menos um CD por mês.

Futuro

Tanto Júlio quanto Lucas encaram o futuro para o CD com otimismo. Ambos apostam que o CD jamais acabará, mas que, no futuro, manterá sua existência graças a nichos. “Colecionadores e gente que gosta de peça física, como ocorreu com o vinil. Mas o fato é que a tecnologia de streaming é extremamente prática. Quando programas como o Napster e Emule surgiram, as pessoas ainda precisavam organizar diretórios e pastas com as músicas que queriam ouvir, fora a questão do espaço para armazenamento. O streaming resolveu isso. A única coisa necessária é uma conexão de internet. Além disso, é uma forma de se consumir música remunerando os artistas que a produzem”, diz Lucas.

Curiosidades

  • O CD foi criado em uma parceria entre a Philips e a Sony
  • O diâmetro de um CD tradicional é de 120 milímetros
  • O disco The Visitors, do ABBA, foi o primeiro lançamento no formato CD na história da música internacional, em agosto de 1982
  • Os CDs chegaram ao mercado em novembro de 1982, com 150 títulos disponíveis
  • O primeiro trabalho lançado apenas no formato digital foi o álbum Brothers in Arms, da banda Dire Straits, em 1985
  • Brothers in Arms também foi o primeiro CD a ultrapassar a marca de 1 milhão de cópias vendidas no mundo
  • O primeiro CD lançado no Brasil foi o disco Garota de Ipanema, de Nara Leão, em 9 de abril de 1986
  • Nos anos 1990, os CDs dominaram as vendas, ultrapassando a marca de 1 bilhão de cópias vendidas em 1992 e de 2 bilhões em 1996

 

Comentários

Recomendadas

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Facilite seu acesso agregando uma
conta de rede social ao seu perfil
Sexo
Confirme seu cadastro

Para acessar nossos conteúdos especiais é necessario que você ative seu cadastro.

Acesse seu e-mail e clique no link que lhe enviamos. Caso não tenha recebebido, digite abaixo seu e-mail.