Cidades

X
  • Segunda-feira, 25 de Setembro
  • Onde quer que vá, vá com o coração!
Cidades

Matéria

Quarta-feira, 13.09.17 às 00:00 / Atualizado em 12.09.17 às 22:19

Rio Preto tem um ferido no trânsito a cada três horas

Millena Grigoleti
Mara Sousa Lislemara - 13092017
Lislemara junto à moto que pilotava no momento do acidente que sofreu em julho. Perna está machucada e ela sente dores

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do
Diario da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Mara Sousa Lislemara - 13092017
Lislemara junto à moto que pilotava no momento do acidente que sofreu em julho. Perna está machucada e ela sente dores

A cada três horas, uma pessoa fica ferida no trânsito de Rio Preto. São oito vítimas por dia. De janeiro a julho deste ano, 345 pessoas a cada 100 mil moradores ficaram machucadas em acidentes no município, a maior taxa entre as 15 maiores cidades do Estado de São Paulo, inclusive a capital. Nos sete primeiros meses de 2017 as colisões fizeram 1.555 vítimas.

O levantamento foi feito pelo Diário com base em dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre os 15 maiores municípios de São Paulo, Rio Preto tem a maior frota de veículos por habitante: 0,82 veículo para cada um dos 450,6 mil moradores. Uma das vítimas dessas lesões corporais provocadas pela violência no trânsito é a chapeira Lislemara Aparecida da Trindade, de 43 anos. 

Na noite do dia 7 de julho, ela trafegava com sua moto pela rua Manoel Del Arco, via de mão dupla, no sentido bairro-centro, quando um carro que vinha na direção contrária fez uma curva à esquerda sem esperar sua passagem. Ela teve ferimentos no joelho e passou por cirurgia 20 dias depois para acabar com uma infecção. O motorista do carro fugiu do local. Ela está afastada do serviço. As contas atrasaram. Motorista desde 1994, este foi seu quinto acidente. “Estou apreensiva,” diz em relação ao trânsito. “Tinha planos para trocar de moto, agora vai demorar um pouco. Não consigo dobrar a perna, ando arrastando”, conta.

Depois de sofrer acidente na madrugada de 26 de julho, o comerciante Edgar Rubens Silvestre, 27 anos, ainda está de cama. Um amigo dirigia o carro pela avenida Alberto Andaló quando um motociclista avançou o sinal vermelho e bateu na traseira do veículo. O motorista perdeu o controle da direção e bateu contra um poste. Edgar, que era passageiro, quebrou a tíbia, o fêmur, o tornozelo e a mão em oito lugares. O lado direito do corpo foi o atingido.

Foram necessárias três cirurgias e 18 dias no hospital. “Estou de cama ainda, não posso por o pé no chão durante três meses mais ou menos”, afirma ele que está afastado do trabalho. O auxiliar de produção Lucimar Pereira de Andrade, 44 anos e morador de Nova Aliança, também não sabe quando retorna ao serviço em Rio Preto. Em 28 de junho, ele trafegava de moto levando um colega na garupa quando o motorista de um carro desrespeitou o sinal de “pare”. 

Lucimar foi arremessado a vários metros. Machucou a bacia, um canal do sistema urinário e fraturou a perna. Foram duas cirurgias e 45 dias sem conseguir se mexer na cama de hospital que alugou. Seu colega também sofreu ferimentos e o causador do acidente tentou fugir, mas foi alcançado por populares. De acordo com Lucinar, ele estava a mais de 90 quilômetros por hora na via em que o limite é de 60. “Não é que o trânsito é perigoso. As pessoas que fazem o trânsito ficar perigoso”, acredita.

 

Arte - Ranking de acidente - 13092017 clique na imagem para ampliar

Época dos carros de boi

José Bernardes Felex, professor da USP e consultor de trânsito, destaca três fatores em Rio Preto: a alta densidade da população, condição de produção agropecuária mais alta que alguns estados brasileiros e forte prestação de serviços. Eles fazem com que muitos veículos circulem por aqui, inclusive no campo, que também é povoado.

Embora essa característica seja boa para a economia, é ruim para o trânsito. O movimento de veículos aumentou, mas a cultura não se modificou. “Estamos na época do carro de boi nas nossas mentes e estamos andando de carros, motocicletas, caminhões, ônibus potentes, velozes, carregados”, fala. O professor acredita que para melhorar o trânsito é preciso mexer na sociedade, fazê-la pensar. “Cada um usa seu carro, moto, ônibus, caminhão como se fosse uma arma e convive com uma cidade que não se modifica.”

Motorista é principal causa

As Polícias Rodoviárias Estadual e Federal de Rio Preto apontam que na maioria das vezes é o motorista que causa os acidentes. Ou seja: não são provocados por falha mecânica imprevisível ou das vias, por exemplo. Em nota, a PRE listou cuidados indispensáveis ao trânsito: manter distância do veículo da frente, fazer manutenção no veículo, não usar celular ao volante, usar cinto de segurança, acender o farol, respeitar o limite de velocidade, sinalizar a mudança de faixa, não ultrapassar em local proibido, não fazer conversão sobre a faixa de rolamento e utilizar corretamente o capacete.

“Umas das maiores causas de acidentes nas rodovias é quando o condutor do veículo não segue um desses itens de segurança”, afirmou o cabo Sergio Joaquim de Oliveira Mendonça. A maioria dos 165 acidentes registrados na BR-153 nos sete primeiros meses do ano foi causada por falta de atenção do motorista seguida por ingestão de álcool e desobediência à sinalização. As duas corporações disseram na nota que realizam ações para coibir o comportamento de risco dos motoristas. A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar para tratar dos acidentes ocorridos dentro do perímetro urbano de Rio Preto, mas não obteve retorno. 

 

Comentários

Recomendadas

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 15,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Facilite seu acesso agregando uma
conta de rede social ao seu perfil
Sexo
Confirme seu cadastro

Para acessar nossos conteúdos especiais é necessario que você ative seu cadastro.

Acesse seu e-mail e clique no link que lhe enviamos. Caso não tenha recebebido, digite abaixo seu e-mail.